top of page
  • Foto do escritorBernard Gontier

Texto para o Natal


Natal é nascimento e tudo que nasce é ou deveria ser "novo".

Cada um de nós é um aparelhinho scaneando itens sem fim. Passa o ano e a gente soma mais um amontoado. Daí a peneira e continua. Tantas coisas vemos (e não vemos), pessoas que surgem do ilusório nada, reencontros, lembranças, leituras, aprendizados.


Muda-se o mundo, mas o Natal está aí. As pessoas que tem ligação com ele, com o seu surgimento, estão próximas e ativas, não se trata de imagens de adoração. A sensação do cidadão comum, onde eu e você estamos inclusos, face as peripécias dos políticos profissionais - mesma coisa que ficar debaixo das cataratas do Iguaçu gritando para que a água volte pra cima. Então, isso não vai dar certo, digo, emocionalmente, para começo de conversa. Mudanças por um lado e conceitos perenes por outro. Imagine todos os seres envolvidos no alinhamento geométrico (sagrado) conhecido como “Vesica Pisces”. Traduzindo: duas “esferas” de energia se juntam e criam um espaço para a “semeadura” mútua de novas ideias, novas energias e novas formas.


Temos um sino soando o holograma da dispensação celeste, e cada ano bate mais forte. Eis a luz do Laser produzindo o holograma. LASER - Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation - ampliação da luz estimulada pela radiação. O resultado desta empreita culmina na labuta dos servidores se expandindo e projetando a Divindade para a Terra.


Como é que a gente sabe disso? Porque uma espécie de afinidade interior permite que os alunos se identifiquem uns aos outros silenciosamente e atuem somando forças na obtenção de propósitos.

É Natal. Está muito além de uma taça de espumante. Temos um ano corrido para refletir, mas que seja reflexão rápida, relâmpago, pois deslocamentos monumentais estão à frente. Sem contar o amparo ininterrupto de todo o elenco que compôs o surgimento do Natal. A exemplo, um dos Reis Magos é o Mestre El Morya, Chohan do Primeiro Raio, o Azul, cujos atributos são Fé, Força, Poder, Proteção e Vontade Divina. E se você pensar em todo o elenco, e na estrela principal, oras, você acha que tal agremiação de forças foi por acaso?

“(…) Deus escolheu um caminho novo. Tornou-Se um Menino. Tornou-Se dependente e frágil, necessitado do nosso amor. Agora - diz-nos aquele Deus que Se fez Menino - já não podeis ter medo de Mim, agora podeis apenas amar-Me.” (Guilherme de S. Thierry).


Hora de tomar fôlego. Cada um de nós, nalgum ponto do caminho, diria talvez ser uma tremenda experiência estar preso e ter que encontrar sua liberdade. Entretanto, há 2.000 anos, com o nascimento do Menino, finalmente pudemos dizer: A vida nunca mais será a mesma.

143 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Kommentar


bethqueiroz1960
20. Dez. 2021

Bernard, passando para ler seu texto, tão instigante e pertinente e para lhe desejar um Natal de paz interior.

Gefällt mir
bottom of page