top of page
  • Foto do escritorBernard Gontier

Experiências Completas


Eu creio que a completude da experiência de assistir “Into the Wilde” se deve a três fatores, quase que simultâneos. O filme laçado em 2007, escrito dirigido por Sean Penn, uma rápida análise sobre o autor do livro homônimo de onde o filme se origina, e a própria vida do Alexander Supertramp, codinome que o personagem real se auto intitula quando cai na estrada em 1990 para nunca mais voltar - foi encontrado sem vida por caçadores em Stampede Trail, Alaska, 1992. Causa mortis, no filme, intoxicado por plantas silvestres, porém o biógrafo crê mesmo em inanição. O filme de Penn pende para as plantinhas tóxicas, afinal, cinema…, e mesmo com algumas licenças poéticas muito plausíveis, o recado é dado como manda o figurino.

Foi uma experiência completa para todos nós.


Inclusive para a Luna, que ano passado era a mais nova integrante do gatil da família, chegou com 4 meses, castrada, vacinada, cor de ébano, esguia, eu a chamava de a Audrey Hepburn dos felinos domésticos, cinco ao todo, a única que queria os dois mundos, o da casa, com quintal amplo, e o do rua, com carros temerários. Os outros gatos não colocam o nariz para fora. Luna dera para fazer incursões pelo bairro e foi atropelada bem na porta de casa.

Cometeu um erro.

Alexander Supertramp amava a vida, se graduou pela Emory University com dupla especialização em história e antropologia em maio de 1990, dois meses depois contava com 22 anos quando empunhou a mochila e aos 24 encarou os 7 palmos. Ele não sabia que o riacho que atravessara para montar o acampamento, devido a mudança das estações, se transformara num rio intransponível. Ficou ilhado. A fome o alcançou.

Ora, os apaixonados pela vida volta e meia cometem erros fatais.

“Into the Wild” foi publicado em 1996 e durante dois anos permaneceu na lista do The New York Times Best Seller. Jon Krakauer, que desencavou a epopéia, além de escritor é alpinista.

Os Granite Mountain Hotshots, 20 bombeiros de elite de Prescott, Arizona, com exceção de um, foram dizimados em um incêndio em Yarnell Hill em junho de 2013. Desde as Torres Gêmeas nunca tantos bombeiros haviam sucumbido de uma só vez. Eles cometeram um erro - avaliaram mal a velocidade da combustão naquele dia. Sujeitos experientes, ninguém ganha a tarja de Hotshot se não conhecer a matéria de cor e salteado.

Quem ousaria dizer que não amavam a vida?

Reza a lenda que, lá pelos idos de 1970, o conselho de acionistas majoritários do grupo Gulf-Western, que controlava a Paramount Pictures, fez uma reunião de emergência no intuito de torrar o estúdio. Bob Evans, o presidente do mesmo, interrompe o concílio e apela tirando da cartola o único coelho pertinente: nossos filmes contam histórias, as pessoas precisam de histórias.

Ninguém em sã consciência consegue contradizer esse raciocínio.

“The Age of Innocence”, 1994, dirigido pelo Scorsese, foi baseado no livro de mesmo nome publicado em 1920, autoria de Edith Wharton, que retratou como ninguém a Gilded Age. Edith foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio Pullitzer.


Baita produção, história ok, aristocracia americana ambientada em 1870.

Uma diferença de cinema gritante com os mi-mi-mis atuais.

Coisa de 10 anos atrás Kathryn Bigelow é agraciada como a primeira mulher a ganhar um Oscar da Academia na categoria de melhor direção. Filme: "The Hurt Locker". Logo após ela faria “Zero Dark Thirty”, um feito e tanto - narra o trabalho de formiguinha que durou dez anos para descobrir o paradeiro de Osama bin Laden. Jessica Chastein faz o papel principal, levou o Globo de Ouro de Melhor Atriz, mas há uma terceira mulher por trás do papel da Jessica, uma boa fatia da personagem foi inspirada nela: funcionária graduada da CIA, Alfreda Frances Bikowsky.


Tanto Edith Wharton como Franz Kafka são filhos do século XIX, ele nasceu em 1883 ela, um par de décadas antes. Ambos contaram histórias. Cerca de dois anos anos do seu passamento, Kafka conhece uma garotinha no parque Steglitz (Berlim), ela chora copiosamente, perdera a boneca, ambos ensejam uma busca sem sucesso. Ele a encontra de novo, desta feita mostra a criança um bilhete: “Por favor, não chore. Fiz uma viagem para ver o mundo. Vou escrever sobre minhas aventuras”. Isso se estendeu através de outras missivas até que o autor lhe traz uma boneca e a menina exclama: não se parece com a minha boneca! Outro bilhete surgiu: “Minhas viagens mudaram-me”.


Boas histórias tem tecido requintado, agregam múltiplos coeficientes, tudo nelas evoca a atividade edificatória através dos olhares daqueles que as viveram e dos que as contaram. Algo capaz de transformá-las, dependendo do ângulo, em simplesmente imortais.

173 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentários


bottom of page